O Ex-voto

Por Luís Américo Silva Bonfim[1]

sem-titulo-digitalizado-02
“Milagre que fez o Sr. do Bonfim a menor Olívia Baptista Leite Borges que estando desenganada de febre amarela sua mãe implorou ao mesmo senhor foi atendida, 1892”.
Narrativa integrante de um ex-voto pintado, de autor desconhecido, pertencente ao acervo da Igreja do Senhor do Bonfim, Salvador-BA, Brasil. Óleo sobre tela, 62 x 58 cm, s/d. In: Estórias de dor esperança e festa: Ex-votos baianos (Séculos XVIII-XX). Salvador: Museu de Arte da Bahia, 1999. 24p: il. Catálogo de exposição.

Dor e cura, promessa e milagre. No texto manuscrito de um quadro do final do século XIX registra-se a profunda gratidão do devoto que retribui uma graça recebida. Em tons pastéis, a pintura apresenta uma jovem enferma deitada sobre uma cama, olhar cansado, corpo semi-coberto com um lençol branco e, sobre este, um lençol vermelho. Num dos cantos da tela, à esquerda da menina de traços andróginos, projeta-se na parede uma pequena e resplandecente imagem do Senhor do Bonfim, envolta por uma aura. Aos pés da cama, uma mesinha assenta um copo de vidro e uma colher, ao que parece, sucedendo mais uma tentativa de medicação. Mas eis que a menina se cura! E sua cura faz surgir o quadro, testemunho de uma vitória, ainda que parcial, da vida sobre a morte.

Este objeto ofertado ao Senhor do Bonfim é o que se chama de milagre ou ex-voto. Comumente toma-se o termo “ex-voto” como uma abreviação da expressão latina ex voto suscepto, que significa “por um voto alcançado”, ou “em consequência de um voto”.

O dicionário Houaiss o indica como um termo relativamente recente na língua portuguesa, cujo primeiro registro se deu em 1873. Segundo o folclorista brasileiro Luís da Câmara Cascudo, o termo ex-voto é derivado do latim, votum, significando coisa prometida, e completa: “é o que se promete ao santo de devoção para se receber a graça, ou o que se oferece por tê-la alcançado”. Assim, é corrente entre os crentes localizar estas manifestações com o nome de “promessas”, quando apresentadas como um pedido (uma possível expressão do voto), e como “milagre”, designando, de fato, um testemunho de milagre, expressando assim um ex-voto.

Assim, o advento desta oferta fecha um ciclo transacional que se imagina tão antigo quanto a própria existência humana. Trata-se de uma expressão moderna da relação entre o frágil mundo dos homens e o inexorável mundo dos deuses. É uma relação cujo modelo estrutural se mantém semelhante em diferentes matrizes religiosas, desde a Antiguidade, entre os assírios e gregos: há a figura do pedinte, sujeito que perece e se mostra desamparado frente a questões da sua existência, o que o leva a formular pedidos de graças, que são endereçados a um outro – aquele em quem se acredita lhe poder atender – e cuja realização se sucede de um agradecimento, um gesto público, em geral, e do estabelecimento, no agraciado, de um vínculo de confiança.

A oferta votiva, nem sempre apresentada de forma tangível: a consagração do voto e, principalmente, a retribuição do ex-voto, podem substituir a representação física (a natureza expressiva material do objeto do pedido ou agradecimento, que se manifesta desde a produção de pequenas peças à construção de grandes templos), por atos, interdições, obrigações, denominações, gestos ou ritos, vindo sempre a apresentar formas e valores litúrgicos dos mais variados. Assim, é parte decisiva de um elo que pode se estabelecer em uma única oportunidade, ou pode acompanhar aquele que pede ou que recebe a benesse (conquanto nem sempre se trate da mesma pessoa) por toda a sua vida. Por outro lado, o advento de uma dádiva pode se dar mesmo sem que houvesse um pedido por parte do agraciado, o que pode lhe ensejar uma retribuição ou agradecimento.

Como ilustrou este caso do ex-voto ao Senhor do Bonfim, cuja devoção já caminha para além de dois séculos e meio, há nos ciclos votivos católicos a repetição daquela antiga estrutura fenomênica: a vicissitude, a devoção, o devoto, o voto (compromissado pela promessa), a graça (ou milagre) e o ex-voto; o que configura um sistema simbólico dinâmico e vigoroso. Designa-se o termo “votivo”, como amplo referente a tudo aquilo que concerne a estas relações do voto: súplicas, promessas, graças, milagres, oferendas, agradecimentos, devoções. Enfim, ao ciclo simbólico do dar-receber-retribuir dentro do campo religioso católico e suas variantes. Dessa forma, por “artes votivas” consideram-se não só as manifestações de agradecimento (ex-votos), mas a expressão do compromisso e das formulações de pedidos (votos) e a firmação do vínculo devocional, valorizando as suas diversas dimensões, que resultam em realizações, objetos ou performances.

Os crentes (fiéis devotos) falam em milagre, graça, mercê; os acadêmicos especulam sobre o dom e investigam a efetividade de uma suposta intervenção divina. Entre prodígios e favores, entre a crença e o ceticismo, esta tradição avança pelo tempo e se ajusta às novas realidades, renovando-se frente a toda sorte de mudanças nos ambientes socioculturais onde existe. E é destes ajustes que se pode constatar uma outra riqueza: a variedade das representações votivas que expressam os “bens” transacionados. Improvisados ou manufaturados, comprados prontos ou cuidadosamente preparados, estes artefatos mostram vigorosamente, numa perspectiva comparativista, os contrastes simbólicos e expressivos entre as diferentes comunidades católicas pelo mundo afora, comprovando a incrível persistência desta prática secular. Os ex-votos expõem as influências do imaginário popular, dos sistemas de valores compartilhados, do impacto das práticas produtivas; revelam parte considerável da vida cultural de um povo. As expressões votivas são também uma fala, traduzem desejos e necessidades, expõem sociabilidades, escondem e revelam preferências.

© Todos os direitos reservados

lasb
[1] Doutor em Ciências Sociais e Mestre em Sociologia pela Universidade Federal da Bahia (PPGCS/UFBA). Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Universidade Federal de Sergipe (PPGCR/UFS). Líder do Grupo de Pesquisa/CNPq Observatório Multidisciplinar de Religiões e Religiosidades/Observare (PPGCR/UFS). Membro Efetivo da Associação Brasileira de Antropologia (ABA).

Um comentário em “O Ex-voto

  1. Offere,do latim trazer ou oferecer,o ato pode ser interpretado como um sacrifício de agradecimento.Um gesto,que dentro da sua gênese remonta os costumes da comunidade primitiva,em que a relação do homem com o meio (fenômeno natural), o vento, a chuva, o fogo,a cura,a doença,o elemento simbólico transmutava-se para o campo do sagrado,a atribuição aos deuses.A relação implica união,comunhão com o numinoso,ato que liga as duas dimensões entre o sagrado e o profano,possivelmente uma das primeiras expressões ritualísticas.E expressão que permanece na contemporaneidade,na sociedade moderna.

    Curtir

Deixe uma resposta para Carlos Roberto dos Santos Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s